terça-feira, Janeiro 26, 2010

Ao amigo de ontem, de hoje e de sempre

Nen toda a palavra serve
para vestir o manel.

No corpo, na alma, em tudo
o bem e o mal vem-lhe a tons:
fica-lhe mal o veludo
e fica-lhe bem a lona.

Tem o tamanho que tem,
seja calçado ou descalço:
talvez por isso, também,
nunca deu um passo em falso.

Nasceu nu e nunca quis
tapar a sua nudez:
é senhor do seu nariz
sem ostentar altivez.

Deixo o artista de parte,
fico na minha cantiga:
que nesta coisa de arte
há muito que se lhe diga.

Fiz o retrato que pude,
desde a alma até à pele:
espero que nunca mude
- que seja o mesmo manel.

Francisco Gonçalves

domingo, Janeiro 10, 2010

“Bodas de Diamante" do Grupo Mérito Dramático Avintense


O Grupo Mérito Dramático Avintense ao apresentar o Boletim comemorativo das suas “Bodas de Diamante”, 1910 – 1995, quer contribuir um pouco mais para a divulgação da sua actividade multifacetada no conjunto das manifestações culturais, recreativas e beneficentes de Avintes.






A Junta de Freguesia de Avintes atribuiu ao Grupo Mérito Dramático Avintense a medalha de Mérito, em prata, em sinal de reconhecimento pelos serviços prestados ao desenvolvimento cultural do povo de Avintes.









Ambas as medalhas foram concebidas pelo Escultor Manuel Pereira da Silva.

quarta-feira, Janeiro 06, 2010

Exposição da Vida e da Arte Portuguesas em Moçambique


Exposição da Vida e da Arte Portuguesas, assim se denominava a breve panorâmica do País, que a Agência Geral do Ultramar organizou para figurar em Lourenço Marques, a quando da visita de Sua Excelência o Presidente da República, General Craveiro Lopes, à província de Moçambique, em 1956.

Em verdade, nesta exposição não se dará mais do que uma visão apressada do muito que se poderá mostrar da Terra Portuguesa na Europa, na África e no Oriente.

O que somos no mundo e como somos em Portugal, sugere-se um conjunto, forçosamente incompleto, da vida nacional contemporânea.

As manifestações cultas de arte, apresentam-se depois, nas sua variadas expressões e técnicas.

Óleos, esculturas, desenhos, aguarelas, cerâmicas, vitrais, tapeçarias, ferros forjados, livros, encadernações, etc., numa série valiosa de trabalhos compreendidos em toda a gama de expressões plásticas, mostram-se nas salas destinadas à representação artística do País. Esta Exposição de Arte, sem restrições abarca, com a maior amplitude, toda a criação plástica, desde as artes aplicadas e decorativas, até à pintura e escultura, e desde os nomes já consagrados até aqueles que moderadamente vão aparecendo a revolucionar as forma e as cores.


O Escultor Manuel Pereira da Silva participou nesta exposição na categoria Aguarela e Desenho, com os trabalhos número: 394 – Desenho; 395 – Guache; e 396 – Aguarela “Cabeça de Cristo”. Na categoria Escultura apresentou uma peça com o número 331 – Escultura, no valor de 20.000$00.





O catálogo da exposição faz também referência à participação do Escultor Manuel Pereira da Silva nos II e III Salões de Cerâmica Moderna (S.N.I.) e nos I e II Concursos Nacionais de Artes e Ofícios, onde obteve, respectivamente, os 2º e 1º Prémios (1954 e 1955).

domingo, Janeiro 03, 2010

No baixo-relevo para o Palácio da Justiça do Porto, Manuel Pereira da Silva é o artista de concepção mais moderna de todos


O Palácio da Justiça do Porto foi inaugurado em 20 de Outubro de 1961.

Possui uma valiosíssima decoração artística, quer interior quer exterior, confiada a alguns dos melhores Pintores e Escultores Portugueses, num total de vinte e três, que executaram cinquenta baixos-relevos, pinturas a fresco e tapeçarias. Estas obras de arte contemporânea da mais variada concepção integram-se num pensamento comum de representação plástica: a Força do Direito como razão profunda da realidade nacional.

O baixo-relevo em granito do escultor Manuel Pereira da Silva, na sala de audiências do 3ºJuízo, faz-nos remontar às origens da nacionalidade e mostra-nos o Bispo do Porto, D. Pedro Pitões, no terreiro da Sé, exortando os cruzados a ajudar D. Afonso Henriques na tomada de Lisboa.

Conforme consta do catálogo do Palácio de Justiça do Porto – MCMLXI, da Bertrand (Irmãos), Lda.

Participarão na decoração do edifício, além de Manuel Pereira da Silva, os escultores Euclides Vaz, Leopoldo de Almeida, Sousa Caldas, Salvador Barata Feyo, Lagoa Henriques, Gustavo Bastos, Irene Vilar, Maria Alice da Costa Pereira, Henrique Moreira, Eduardo Tavares, Arlindo Rocha e os pintores, Martins da Costa, Coelho de Figueiredo, Severo Portela, Amândio Silva, Martins Barata, Dordio Gomes, Guilherme Camarinha, Isolino Vaz, Augusto Gomes, Júlio Resende e Sousa Felgueiras.



"No baixo-relevo para o Palácio da Justiça do Porto, Manuel Pereira da Silva é o artista de concepção mais moderna de todos os que colaboraram em obras de escultura."

"Numa simplicidade de linhas, D. Pedro de Pitões apresenta-se rodeado de algumas figuras de Cruzados que procuravam ir para terras do Oriente combater os infiéis. Há uma abundância de linhas geométricas, quer nas vestes episcopais, quer nas armaduras dos guerreiros."

in Joaquim Costa Gomes – Três Escultores de Valia: António Fernandes de Sá, Henrique Moreira e Manuel Pereira da Silva. Ed. Confraria da Broa de Avintes.

Mas compreende-se o porquê deste seu anseio. Espírito em formação criativa, ele queria uma pista de identificação artística que fosse o seu próprio sinete.

sábado, Janeiro 02, 2010

Leilão de Pintura Contemporânea


Foram vendidas quatro composições com Técnica Mista, uma composição de Guache e uma composição a Carvão, do Escultor Manuel Pereira da Silva no Leilão de Pintura Contemporânea, realizado pelo Palácio do Correio Velho.

Leilão de Arte Moderna e Contemporânea


O Escultor Manuel Pereira da Silva esteve representado no Leilão de Arte Moderna e Contemporânea, realizado pelo Palácio do Correio Velho, com um quadro a Óleo sobre tela, duas composições com Técnica Mista e uma composição de Guache e Aguarela.

sexta-feira, Janeiro 01, 2010

Cotação de Artistas Portugueses



Jean-Pierre Blanchon, um francês apaixonado por pintura, escreveu um livro com as cotações de 1500 artistas portugueses, o Cotação de Artistas Portugueses em Leilão – Guia 2006/2010 (Edição do Autor). O autor tem uma loja de antiguidades no Espaço Chiado e uma leiloeira.


Logo que chegou a Portugal, em 1991, deu seguimento ao seu vício de não perder nenhum leilão. Economista de formação, a insuficiência de dados para catalogar os artistas incomodava-o. Meteu-se ao trabalho: analisando catálogos de leilões, conseguiu avaliar a evolução de 50 pintores portugueses entre 1974 e 1994. E concluiu que apenas o investimento em bolsa tinha conseguido superar a rentabilidade média da pintura portuguesa nesse período — cujos valores oscilavam entre 6,6% e -2,8% — em relação à inflação.


Blanchon do alto da sua experiência, garante que a pintura vale a pena. E alerta: não hesite em deixar-se levar pelo coração, pois uma assinatura nem sempre garante um bom investimento.
Neste guia podemos constatar que o Escultor Manuel Pereira da Silva teve 10 obras suas em leilão, durante o período referido (2006/2010), tendo sido vendidas 7 pinturas em Aguarela.