segunda-feira, Março 31, 2008

Poesia

Poesia não é cantar
mas sentir sensações,
contornar o sentido
dum achado vivido.

Embora não pensado
plenamente tido.

Não fingido.

Não é a lógica,
não é a verdade,
mas a maneira
de dizer a verdade dela.

Ela não sou eu!

Ela é essa coisa
que esboaça e por mim passa,
através de mim,
para atingir um fim:

De mim leva,
o que em mim passa.

Manuel Pereira da Silva

domingo, Março 30, 2008

Comunicarium

\ - / ~ ….1, 2, 3 …
Ré, Mi, Fá, Sol … são:
símbolos, sinais e sons
da comunicação.

Para o que sabes,
para o que eu sei,
com ou sem razão,
sim, não sim …dão.

Assim, antes e depois,
para nossa relação,
e, não esquecer
a certeza de a ter.

É ponte de mim para ti,
que a todos dá,
e nos ajuda a viver,
a ser e a estar
na razão de ter razão
a todo o acontecer.

Mas, a razão, se não for razão,
também quando em multidão –
há sempre alguém que diz Não!

Manuel Pereira da Silva

sábado, Março 29, 2008

Símbolos

As formas,
as cores,
os sons,
as palavras,
formam os símbolos da expressão,
na linguagem da comunicação,
nos fazem,
nos dão o que dão –
nos atrapalham também.

Os animais não tem palavras nem símbolos
mas comunicam,
tem a vantagem de não criar contradição,
actuam por contradição,
não tem doenças por imaginação.

Símbolos da nossa acção
de prazer e das nossas vivências,
interrogações, certezas, dúvidas,
êxtases nas sublimações,
?, !, +, -, x, :
Toda a afirmação absoluta,
é prosápia, quando não estupidez
dogma, porque é dogma também o é,
aceitável como fé.

Manuel Pereira da Silva

sexta-feira, Março 28, 2008

Humano

Tenho a esferográfica na mão,
olho absorto para o que vejo…
E não penso.
Sinto.
Num estás certo.
Sorriu,
neste céu aberto.

Sou qualquer coisa
como qualquer coisa…
Desperto.
Discordo, não do que sentia,
porque ainda o sinto.
Já não é a mesma coisa,
porque não minto.

Pensar é estar acrescentado
ao que penso e sinto.
E erro,
quando o juízo não é acertado,
mas é humano

Manuel Pereira da Silva

quinta-feira, Março 27, 2008

Lembramduum

Bom dia, bom dia.
Fico alegre por te imaginar…
Como penso que sim.
Seria maldade se fosse
o contrário, sim.

Bom dia, bom dia.

Dá-me alegria lembrar-me
de ti assim.

Que mais te posso desejar?
Que mais me podes desejar?
Isso me chega para ficar contente
de ti e de mim.

Isso me chega
até ao fim.

Bom dia.

Manuel Pereira da Silva

quarta-feira, Março 26, 2008

………Embriaga-te:

de sonho, luz, sol, espaço, religião, flores,
de mar, filantropia, altruísmo – em companhia ou sozinho –
de liberdade, euforia, riso, sexo, amores…
de tudo, em êxtase como que um hino à vida – se não de vinho.

Manuel Pereira da Silva

terça-feira, Março 25, 2008

Folhinha

Folhinha caída
num chão qualquer,
o vento te empurra,
pareces ter vida
quando empurrada!
Não lhe pedes que sopre
sou eu que lhe peço,
sou eu que lhe rogo
sou eu que preciso
do teu movimento.
É o meu sentimento
é a necessidade
da vida viver.

Folhinha empurrada
no meu sentir.

Folhinha Folhinha
Folhinha animada,
quando eu cair
Nem vento nem nada.

Manuel Pereira da Silva

segunda-feira, Março 24, 2008

Elegia da vida

Estar só…
Só!
É não estar.
Só! É ficar
Só.
Não só: é disfarçar.
Não caminhar.
Só!
É ser o que é.
Não só!
É ser o que não é,
é
- ou + = A estar
:é só apelar
x é só ignorar
“só só”
é principiar
eternamente só
é acabar.

Manuel Pereira da Silva

domingo, Março 23, 2008

Humanus Criatum EBD.

Festeja o teu festim
bem festejado…
Mastiga o tempo e o espaço.
Pois que já vais tendo a indumentária coçada!

Mastiga o futuro, o presente e o passado,
e que migalha não fique de lado,
e até, o que é osso fique triturado
para que fiques com o espírito sossegado.

Olha o infinito o tempo e o espaço
mastiga-os sem cansaço
e mesmo assim irás com aspecto esfomeado!

Manuel Pereira da Silvqa

Sambarandum

Cá cá caramba
Bá bá de cá
Caca caramba
Tanta que há!

Caramba bá
Brá bará bá
O espírito bamba
De cá para lá.

Tanta caramba!
Caram cará
Que se fará.

Cara caramba!
É o que há,
Ainda bem se flor dá.

Manuel Pereira da Silva

Derdade Caseira

Diz o filosofo…
Dizes tu…
Digo eu
e
Diz o outro…
Dizemos o que
o que o outro
Diz.
m___m___m__m
m___m___m__m­
Onde metes o Nariz!!!!


Manuel Pereira da Silva

sexta-feira, Março 21, 2008

Ode “Moto não continuado”

Logo começas-te.
Assim berras-te.
Depois mamas-te.
Mas não falas-te.

Depois brincas-te
E apanhas-te
E estudas-te.
Mais tarde muito tocas-te!!

E por essa força casas-te
E multiplicas-te.

Mais: calas-te
Berras-te
Chateaste-te
Mandas-te
Obedeces-te.

Até que enferrujas-te!!
E não funcionas-te
E teimas-te
Aos solavancos funcionas-te.

E assim chegas-te.

Mal
Bem

E depois?
E depois?

Depois com um voto de muitos tês…

Depois AMEM+


Manuel Pereira da Silva

quinta-feira, Março 20, 2008

Chuuuuuu!...

Oh! Ser humano!...
Que de animal tens a origem.
O que coberto com pano
Provocas o engano.

Deixa o sol penetrar
Onde não entra a consciência
E o vento varrer
A obstinação que é demência.

Pára. Escuta e olha
Em todas as direcções.
Pensa, repensa e torna a pensar
E lava com “Clarim” as tuas desilusões.

Humana criatura torturada
Deita a corar a tua carcaça,
Fora e dentro e ficará bem lavada.

Assim ficará bem repousada
Com flores para a eternidade
Com orvalhadas das manas da madrugada

Chuuuuuu!...

Manuel Pereira da Silva

quarta-feira, Março 19, 2008

Ou

Ou passos que dás para a frente e para trás
Ai para a frente e para trás, passos que dás.
Ou andas desandas para a frente e para trás
Ai dos passos que dás.

Ou passas não passas, o que vais passando!...
Ai para a frente e para trás.
Ou os passos que dás!
Ai andando, está.

Ou sonhas que sonhas para a frente e para trás
Ai os sonhos que dás!!!
Ou sonhos que faz!!!

Ai à frente ou a trás
Ou, assim estarás
Ai repousando em paz+

Ai


Manuel Pereira da Silva

terça-feira, Março 18, 2008

Realismo

Ver as coisas, elas mesmo
por elas ser,
assim as ver.
Pertencer-lhes
sem pensar nelas
porque pensar é não as ter.

Assim é o elas ser
a cada um.

Aguentar...

contente ser, isso bastar,
que mais querer?

Assim passar...
se até aqui não,

não mais!

Manuel Pereira da Silva

Viver é rum

Estou onde não estou
para estar onde estou
pensando o que sou.

Migalha é pão
do pão que nós somos!...

Estás como estou.
A diferença é estar ou não estar
de ser ou pensar
de perder ou ganhar.

Para onde vais
Para onde vou
Viver ou vegetar
O algo que mudou!!...

Manuel Pereira da Silva

Logunexistum

Já ter estada
em plena estadia
vivendo as emoções
da caminhada!...

Para na fronteira
arreliado – com as sínteses
em carteira
descansado.

Olhar o infinito
do outro lado…
vendo o existente já passado.

É viver a vertigem do limite
neste lugar chegado.
E ficar serenado.

Manuel Pereira da Silva

Glorium

Quium Quidois Quitrês
0 0 0 0 0 Quidez
QuiA QuiB QuiC
0 0 0 0 0 Quifez?

Quidiz Quidiz Quifez
Quidiz Quidiz Quifaz!
Qui+ Qui-
Qui…Qui…Qui…Pum!

Qui Qui Qui Bom.
Delim…Delim…Delão…
0 0 0 0 0 0 0 Glorium!!

+ Um!

Manuel Pereira da Silva